Metalúrgicos da CUT-RS definem pauta de reivindicação para campanha salarial

Cerca de 80 dirigentes sindicais, de todo estado, participaram da plenária da Federação dos Trabalhadores Metalúrgicos do Rio Grande do Sul (FTM-RS) realizada na manhã de terça-feira (22), na sede do Sindipolo. Na atividade, os metalúrgicos fecharam a pauta de reivindicação da campanha salarial 2022/2023 e debateram a mobilização para o próximo período.

 

Este ano, a categoria está pleiteando um aumento real de 2,5%, além da reposição do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), vale refeição e manutenção das cláusulas sociais da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).

 

 

O presidente da FTM-RS, Lírio Segalla lembrou que a atividade acontece após dois anos de plenárias virtuais. “Neste período resistimos, fizemos a luta e cumprimos nosso papel pautado pelo tripé proteção à saúde do trabalhador e familiares, manutenção do emprego e garantia da remuneração. Foram dois anos de restrições, mas onde o movimento sindical teve um papel muito importante”, disse.

 

 

Lírio também enfatizou a importância das eleições de 2022. “Faremos a maior campanha salarial de nossas vidas em outubro e nossa atuação é fundamental. Não vamos suportar mais um governo Bolsonaro”, afirmou.

 

 

A vice-presidente da Federação, Eliane Morfan, disse que ingressou na Federação para trabalhar e fortalecer o coletivo de Mulheres. “Estamos vivendo um momento decisivo para que possamos eleger o projeto dos trabalhadores, para retomar os direitos da classe trabalhadora” salientou ela.

 

 

O secretário geral da CNM/CUT, Loricardo de Oliveira, destacou os desafios de debater a CCT com as tentativas de retiradas de direitos pela patronal e da importância da categoria gaúcha para o Brasil, no sentido de pensar o futuro da indústria, com produção local. “Podemos ter a melhor organização do mundo, mas precisamos ter empregos e para isso, é necessário ter uma indústria forte”, defendeu ele, ao criticar a liberação de inúmeros produtos para importação.

 

 


Pauta de reivindicação

 

 

O assessor jurídico da entidade, Lauro Magnago apresentou a proposta de pauta de reivindicações da campanha salarial, que será levada ao sindicato patronal.

 

 

Em seguida, o economista do  Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Ricardo Franzoi, enumerou os argumentos que justificam a reivindicação dos trabalhadores.  “Pressão inflacionária e exportações temos que levar em conta durante a campanha salarial”, ponderou ele.

 

 

De acordo com o economista, no último ano, a receita do setor metalúrgico cresceu 51,5% e a de máquinas e implementos agrícolas, 39%. Atualmente, há cerca de 33,9 milhões de trabalhadores com carteira assinada e houve um aumento significativo, de 32 para 38 milhões de trabalhadores informais, sem carteira assinada.

 

 

“Além disso, a projeção é que não haja crescimento no PIB gaúcho e a previsão da inflação é que fique em torno de 11% para data base em maio” disse. Franzoi também chamou atenção, que devido ao índice alto da inflação, aumentou os reajustes parcelados.

 

 

Próximo passo é intensificar a mobilização

 

 

A live de lançamento da campanha salarial acontece na próxima quinta-feira (31), às 19h, na página da Federação no Facebook. Antes, às 14h será realizada uma plenária virtual de mobilização.

 

 

Nas próximas semanas, os sindicatos entregarão o jornal Reaja! para a base e irão dialogar com os trabalhadores, fazendo um grande “arrastão” nas fábricas do RS e mostrando que a reivindicação é viável.

 

 

A criação de comitês em defesa dos trabalhadores pelos sindicatos foi sugerido pela entidade, como forma de organizar a base e fortalecer a mobilização.

 

 


Prestação de contas – o tesoureiro da FTM-RS, Milton Viário conduziu a prestação de contas em conjunto com o assessor contábil da entidade, Milton Mayer. Na ocasião, os membros do Conselho Fiscal da Federação leram o parecer favorável à aprovação. Em seguida, foi apresentada a previsão orçamentária para 2022.

 

 

Tanto a prestação de contas como a previsão orçamentária foram aprovadas pelos delegados presentes na plenária.

 

 

 

 

Fonte: FTM-RS

GOSTOU? CURTA, COMPARTILHE!