Direção do Sindicato abre planejamento para a Campanha Salarial 2022

Durante toda a segunda-feira (14), os diretores do Sindicato estiveram reunidos para dar início ao planejamento da Campanha Salarial de 2022. A categoria metalúrgica tem data base fixada em 1° de maio, logo, ainda no mês de abril os trabalhadores/as serão convocados para a tradicional ASSEMBLEIA GERAL dos metalúrgicos/as para encaminhar as reivindicações do ano.

 

 

A Federação dos Trabalhadores Metalúrgicos do Rio Grande do Sul abriu o encontro com uma análise de conjuntura. Lírio Segalla, presidente da FTM-RS, e Milton Viário, tesoureiro da entidade, propuseram uma discussão sobre o atual cenário político e sindical, projetando aspectos da campanha salarial dos metalúrgicos no Estado. Além da campanha sindical, os sindicalistas também se articulam para o ano eleitoral, questão que consideram fundamental para a melhora na vida da classe trabalhadora.

 

 

 

Acreditamos que o ano de 2022 é de luta e oportunidades e, se soubermos nos articular, conseguiremos caminhar juntos para uma realidade melhor do que a que vivemos”, comentou Viário.

 

 

 

 

As assessoras jurídicas do Sindicato, as advogadas Lídia Woida e Fernanda Livi, do escritório Woida, Magnago, Skrebsky, Colla & Advogados Associados, também participaram da dinâmica, tratando principalmente de questões da legislação em que sindicato pode abrir discussões e possibilidades de representação. Em destaque, o tema dos trabalhadores terceirizados foi discutido com as advogadas, recebendo importante contribuição dos diretores sindicais presentes, que trouxeram questões enfrentadas no dia a dia das fábricas.

 

 

 

Pesquisas

 

 

 

Durante a tarde, a direção analisou duas pesquisas norteadoras para o trabalho do sindicato. A primeira, uma parceria entre a entidade sindical, a CUT-RS e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), tratou de explorar o perfil dos metalúrgicos da base de Canoas e Nova Santa Rita e os aspectos que aproximam ou distanciam os trabalhadores do Sindicato. O estudo levantou questões importantes sobre as expectativas da categoria para a atuação sindical, o que servirá como base para a construção de novas estratégias e ações de sindicalização.

 

 

 

 

Na mesma linha, um levantamento elaborado pela assessoria contábil do Sindicato apresentou um panorama da sindicalização e um comparativo entre receitas e despesas desde a Reforma Trabalhista aprovada em 2017. Considerando o impacto da reforma não só na vida dos trabalhadores, como também na estrutura do Sindicato, o grupo discutiu os investimentos, a importância dos associados no fortalecimento do Sindicato e as possibilidades de avanço para o próximo período.

 

 

 

 

O encontro foi marcado pela expressiva participação dos diretores, que trouxeram relatos das fábricas sobre a realidade dos trabalhadores/as. Além disso, a reunião contou com a participação de integrantes do Departamento dos Aposentados Metalúrgicos. Paulo Chitolina, presidente do Sindicato, destacou que o ano será dividido em dois importantes momentos: o primeiro será com a Campanha Salarial, que deverá contar com ampla mobilização por um reajuste digno e garantias aos metalúrgicos. E após isso, a campanha presidencial, onde o Sindicato deverá atuar conscientizando os trabalhadores sobre a importância de eleger um projeto político comprometido com a classe, com melhorias nas condições de vida e renda.

 

 

 

 

A Campanha Salarial e a eleição deste ano são acontecimentos que se complementam, porque envolvem o nosso poder de discussão sobre o que mais impacta o dia a dia dos trabalhadores: o custo de vida e a garantia de emprego, com condições dignas de trabalho e proteção”.

 

Fonte: STIMMMEC

GOSTOU? CURTA, COMPARTILHE!