CAMPANHA SALARIAL 2022: Assembleia dos trabalhadores aprova proposta de reposição integral a partir de 1º de maio

Reunião dos trabalhadores e trabalhadoras ocorreu na noite de 18 de abril, na sede do Sindicato

 

 

 

Em uma semana marcada pelo frio e até pela previsão de um ciclone no sul do país, as categorias Metalúrgica e de Reparação de Veículos da base de Canoas e Nova Santa Rita não se deixaram intimidar e marcaram presença na ASSEMBLEIA GERAL dos trabalhadores e trabalhadoras, realizada no último dia 18 de maio, para apreciação da proposta alcançada na mesa de negociações da Campanha Salarial 2022. Os presentes aprovaram por unanimidade a reposição integral das perdas inflacionárias do período (maio/2021 a abril/2022) a partir de 1º maio, data-base das categorias. Junto a isso, foram renovadas as cláusulas sociais e, de forma específica, um calendário de negociações da metalurgia para discussão de cláusulas específicas e temas especiais. (Confira no quadro o resumo da proposta aprovada).

 

 

REPARAÇÃO DE VEÍCULOS

 

 

As negociações da Reparação de Veículo são realizadas pela Federação dos Trabalhadores Metalútgicos do Rio Grande do Sul (FTM-RS), pois contempla outras localidades no Estado. A Convenção Coletiva de Trabalho da categoria prevê no mês de novembro um adiantamento de 1,5% quando o índice da inflação ultrapassa os 5%. Neste sentido, os trabalhadores devem ficar atentos que, em razão do adiantamento em 2021, o reajuste em maio será de 10,81%.

 

 

METALURGIA

 

 

Durante a apresentação da proposta, Paulo Chitolina, presidente do Sindicato, fez um breve relato das negociações com a Patronal. Na pauta de reivindicações, a categoria havia aprovado a pedida das perdas inflacionárias, somada a um aumento real e discussões de cláusulas pontuais, além da inclusão de temas especiais com o Home Office e a situação dos trabalhadores/as terceirizados. No entanto, a realidade das negociações no Estado, com propostas de parcelamento das perdas, em conjunto com a oferta da reposição integral para a base, levou o Sindicato a convocar uma assembleia para discussão.

 

 

Nós convocamos vocês para avaliar uma proposta que não é a íntegra do que encaminhamos à Patronal, mas contempla a reposição das perdas de forma integral a partir de maio, e que também possibilita que a nossa campanha não se encerre hoje”, afirmou Chitolina.

 

 

Com a confirmação da reposição de 12,50% e a renovação das cláusulas sociais até 2024, os trabalhadores também aprovaram um calendário de negociações, que irá integrar discussões sobre as cláusulas de acesso ao local de trabalho; câmeras de segurança; auxílio escolar; e quinquênio; além dos temas especiais do Home Office e dos Terceirizados.

 

 

Não que antes nós não estivéssemos levando os temas do calendário a sério, mas com a garantia da reposição salarial, agora podemos nos dedicar exclusivamente a estas discussões”, disse Chitolina.

 

 

Avanço da precarização fortalece consciência de classe entre os trabalhadores

 

 

 

O encontro também rendeu um debate acalorado a respeito da realidade da classe trabalhadora dentro e fora do local de trabalho, momento em que muitos mencionaram as dificuldades enfrentadas para manter as condições mínimas de vida junto as suas famílias. Apesar da aprovação da reposição salarial, os trabalhadores ressaltaram que as perdas vão além da inflação oficial.

 

 

 

Quando a gente vai no mercado para comprar 1kg de arroz ou feijão já sente que o nosso salário não vale nada. E essa condição afeta o futuro também, a criação e o futuro dos nossos filhos. Todo mundo aqui tem família e sabe disso”, afirmou um dos trabalhadores.

 

 

 

Na mesma linha, outro trabalhador destacou que a aprovação da reposição das perdas é um ato necessário, pois a desvalorização da renda já afeta o poder de consumo no dia a dia. No entanto, os trabalhadores e trabalhadoras devem se conscientizar que os patrões têm condições de pagar mais. “A gente não parou de trabalhar na pandemia, a produção continuou então a gente sabe que podia ter aumento real sim”.

 

 

 

Como solução, um dos presentes apontou que daqui pra frente o caminho é conversar com os companheiros e fortalecer ao máximo a luta no local de trabalho. “Nós temos que levar esse nosso discurso para dentro da fábrica, falar com os nossos colegas, porque nós estamos desmobilizados. A gente vê quando o Sindicato vai na frente da empresa e muitos não querem parar. Isso enfraquece o nosso lado e os patrões sabem disso”.

 

 

 

Com a expectativa do ano eleitoral, os diretores do Sindicato destacaram que o papel da entidade não é fazer campanha eleitoral, mas sim, conscientizar os trabalhadores sobre a importância do voto em deputados e senadores comprometidos com os projetos da classe trabalhadora. “Nós estamos empenhados, junto com a CUT em trabalhar pela reconstrução do país a partir do protagonismo dos trabalhadores. Esse também será nosso trabalho neste ano decisivo para as nossas vidas”, finalizou Chitolina.

 

 

 

CONFIRA O RESUMO DAS PROPOSTAS APROVADAS

 

 

METALURGIA

 

 

CLÁUSULAS ECONÔMICAS

 

 

 

Reajuste Salarial: 12,50% a partir de 1º de maio de 2022

 

 

Piso da Categoria: R$ 1.736,06

 

 

Menor Aprendiz: R$ 7,00/hora

 

 

Teto de Reajuste: R$ 9.000,00

 

 

CLÁUSULAS SOCIAIS E TEMAS ESPECIAIS

 

 

Junho/22: Câmeras de Segurança;
Julho/22: Terceirizados e Quinquênio;
Agosto/22: Teletrabalho e Auxílio Escolar;

 

 

 

REPARAÇÃO DE VEÍCULOS

 

 

 

CLÁUSULAS ECONÔMICAS

 

 

Reajuste Salarial: 12,47% a partir de 1º de maio de 2021

 

 

Piso da Categoria:

 

 

CLÁUSULAS SOCIAIS: renovadas ate Maio/2023

 

 

Fonte: STIMMMEC

GOSTOU? CURTA, COMPARTILHE!