Caravanas regionais da CUT-RS reforçam atuação dos sindicatos para intensificar resistência ao golpe

caravanAs caravanas regionais da CUT-RS, que percorrem diversas cidades gaúchas, estão fortalecendo a atuação dos sindicatos e intensificando a resistência ao golpe no próximo período, diante da conjuntura de desmonte dos direitos trabalhistas e sociais em consequência das reformas neoliberais do governo ilegítimo de Michel Temer e dos ataques do governo Sartori, ambos do PMDB. Os dirigentes, que estão acompanhando a organização e a realização das atividades, ressaltam a boa representatividade dos encontros  e o alto nível dos debates, fortalecendo as lutas da classe trabalhadora.

 

“A participação está acima da expectativa”, afirmou o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, ao garantir que as caravanas possibilitam implementar as resoluções aprovadas na 15ª Plenária Estadual/Congresso Extraordinário da CUT-RS, realizada em 14 e 15 de julho, no Teatro Dante Barone da Assembleia Legislativa, no centro de Porto Alegre.

 

Várias caravanas contaram também com a participação de advogados do Coletivo Jurídico da CUT-RS, que prestaram importantes esclarecimentos e tiraram dúvidas sobre os efeitos perversos da Reforma Trabalhista. Assessores do Dieese também acompanham os debates, apresentando dados valiosos sobre a evolução da economia gaúcha, dentre outros.

 

Campanha pela anulação da reforma trabalhista

A iniciativa de percorrer as várias regiões do Estado também permite intensificar a campanha nacional da CUT pela anulação da Reforma Trabalhista, que coleta assinaturas em apoio a um projeto de lei de iniciativa popular para revogar a nova legislação trabalhista, que entra em vigor no próximo dia 11 de novembro.

anular

O objetivo é colher mais de 1,3 milhão de assinaturas, conforme prevê a Constituição Federal, para depois protocolar as listas de adesões na Câmara dos Deputados e pressionar os parlamentares para a aprovação.

 

Confira aqui o panfleto com orientações da CUT-RS e acesse aqui para baixar a lista de assinaturas.

 

Desafios para o próximo período

Para Nespolo, o abaixo-assinado do projeto de iniciativa popular é um dos eixos centrais da organização da luta para o próximo período. Ele cita, também, a necessidade de revitalização dos comitês de resistência ao golpe em cada município com agendas nos bairros.

 

“O comitê de resistência ou da Frente Brasil Popular precisa funcionar como uma direção sindical, chamar todas as organizações de esquerda da cidade, fazer reuniões semanais, produzir panfletos e realizar mutirões nos bairros nas manhãs de sábado. Esses comitês são estratégicos para antes, durante e depois das eleições de 2018″, destaca o dirigente sindical.

1

 

“Essa agenda da CUT-RS possibilita o debate para pensarmos as eleições de 2018 como uma oportunidade para derrotarmos esse projeto,  que ataca duramente os nossos direitos. Será a maior campanha salarial da nossa vida. É a oportunidade de varrermos o entulho neoliberal, que norteia as medidas que estão na essência do governo golpista de Temer e seus aliados”, salientou.

 

Outro destaque, enfatizado por ele, é a campanha permanente da CUT-RS de denúncia dos parlamentares que votaram a favor dos projetos de Temer, que trazem retrocessos para a classe trabalhadora. “Nós vamos continuar pegando nos pés desses deputados e senadores, em seus redutos eleitorais, até as eleições de 2018 para que não sejam reeleitos, pois votaram contra os trabalhadores”, ressaltou Nespolo.

 

Regional Centro – 14 de setembro

A caravana na regional Centro teve a participação do secretário-geral adjunto da CUT-RS, Amarildo Cenci, e do secretário de Saúde do Trabalhador da CUT-RS, Dary Beck Filho. Eles destacam a presença dos sindicatos, salientando que o encontro foi marcado pela comemoração da importante vitória da chapa apoiada pela CUT nas eleições do Sindicato dos Professores Municipais de Santa Maria (Sinprosm).

2

 

Além de bons debates, foi retomado o comitê de resistência e encaminhada a organização de comissões de organização para a coleta de assinaturas pela anulação da Reforma Trabalhista e a colagem de cartazes com as fotos de parlamentares que votaram contra os trabalhadores no Congresso Nacional. Também serão promovidos encontros para tratar da sustentação financeira das entidades.

 

Vales do Rio Pardo, Jacuí e Taquari – 13 de setembro

A caravana regional nos vales Rio Pardo, Jacuí e Taquari ocorreu na sede do Sindicato dos Trabalhadores da Alimentação de Lajeado. Sindicalistas de Lajeado, Santa Cruz do Sul, Venâncio Aires, Estrela, Encantado, Roca Sales e Cruzeiro do Sul participaram.

3

Para o presidente do Sindicato, Adão Gossmann, que chamou todos os dirigentes a participar do encontro, este é o momento do envolvimento de todos na resistência à agenda do golpe.

 

O sapateiro e coordenador da CUT Regional, João Emerson, enfatizou a importância das caravanas. “Além de ampliar o debate sobre a Reforma Trabalhista, as reuniões melhoram o trabalho com a base sindical, trazem novas ideias e propostas para a atuação dos sindicatos”, contou ele.

 

“A CUT-RS está de parabéns pela realização das caravanas que, além de fortalecer os sindicatos. torna a nossa Central ainda mais combativa”, avaliou João Emerson, acrescentando que o encontro também “ampliou ainda mais a campanha de coleta de assinaturas”.

Além do presidente da CUT-RS, participaram também os diretores Paulo de Farias, Dary Beck Filho e Maria Helena de Oliveira.

 

Noroeste e Missões – 12 de setembro

A Caravana das Regionais Noroeste e Missões aconteceu em Santo Ângelo. “Foi uma atividade bastante representativa com dirigentes de diversas cidades, o que qualificou muito o nosso debate”, afirmou a secretária de Juventude da CUT-RS, Letícia Raddatz, que coordenou o evento.

4

 

Para ela, a reunião já teve efeitos positivos. “Acredito que cumprimos com o nosso objetivo, pois já encaminhamos a proposta de planejamento e as entidades já estão se organizando para implementar a campanha de coleta de assinaturas pela anulação da Reforma Trabalhista”, destacou.

O encontro contou também com a participação do presidente da CUT-RS e do diretor Dary Beck Filho.

 

Planalto – 6 de setembro

O coordenador da regional Planalto, Alcidir de Andrade, também contou que as entidades da região já estão nas ruas colhendo assinaturas. “Recebemos a caravana da CUT-RS em Passo Fundo, também tivemos a presença de dirigentes sindicais de Erechim, Serafina Correa, Marau e Carazinho, ampliamos e qualificamos os debates e as ações dos sindicatos”, disse.

5

O presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação do RS, Valdemir Corrêa, também acompanhou o processo de organização e realização das caravanas, valorizando a participação da categoria e fortalecendo as lutas da classe trabalhadora.

 

Metropolitana – 26 de agosto

Primeira a ser realizada, a caravana da Metropolitana ocorreu na sede do Sindipolo, no centro de Porto Alegre, sob a coordenação da secretária de Finanças da CUT-RS, Vitalina Gonçalves.

6

O coordenador da CUT Metropolitana, Júlio Ferraz, ressaltou que a caravana teve um papel importante, fazendo discussões sobre a Reforma Trabalhista e organizando a pauta do próximo período. “O encontro foi proveitoso e definiu bons encaminhamentos para fortalecer o enfrentamento das reformas que esse governo golpista do Temer quer implantar”, enfatizou.

 

Calendário das próximas caravanas

– Regiões Sul e Litoral Sul: 22 de setembro, às 14h, na sede da ASUFPEL (Rua 15 de Novembro, 262, em Pelotas);

– Regiões Vale dos Sinos e Vale do Paranhana: 26 de setembro, às 9h, na sede do Sindicato dos Sapateiros de Dois Irmãos (Avenida Florestal, 924 – Centro);

– Região Serra: 5 de outubro, na sede do Sindicato dos Municipários de Caxias do Sul (Rua Carlos Giesen, 1217, bairro Exposição).

 

Fonte: CUT-RS

GOSTOU? CURTA, COMPARTILHE!

Visit Us On FacebookVisit Us On Youtube