‘A política foi demonizada para acabar com a participação popular’, afirma presidente da CUT

A Plenária Interestadual da Central Única dos Trabalhadores (CUT) havia acabado de terminar. Após cerca de três horas de reflexão sobre a conjuntura política brasileira e o papel dos trabalhadores na sociedade, Vagner Freitas, presidente da CUT, se levantou da mesa de debates, tirou algumas fotos com dirigentes sindicais e foi para a sala atrás do palco no Teatro Dante Barone.

 

 

O camarim é um ambiente estreito, tomado por cadeiras e espelhos. Em pouco tempo, uma roda se formou entre o entrevistado, a equipe de reportagem e outros representantes da CUT. “Vocês assistiram ao Roda Vida do [Luiz] Marinho?”, questiona Freitas. “O da Manuela [D’Ávila] foi preconceituoso. Contra as mulheres. Mas o do Marinho…”, disse, se referindo à entrevista do pré-candidato do PT ao governo do estado de São Paulo, o ex-prefeito e ex-ministro Luiz Marinho.

 

 

 

Em entrevista ao Sul21, Freitas avalia os impactos da Reforma Trabalhista após um ano de aprovação, além de refletir sobre a própria organização do movimento sindical. “Houve a extinção do direito ao trabalho. O que temos hoje não é emprego. É ‘bico’”, aponta. Presidente da CUT desde 2012, ele também analisa a conjuntura em torno da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os desdobramentos das decisões consequentes à liminar concedida pelo desembargador plantonista do TRF4, Rogério Favreto – especialmente a participação do juiz federal Sergio Moro no processo.

 

 

 

“O que aconteceu domingo deixa claro um embate entre pensamentos distintos – sem que se atentassem aos fatos e à Lei. Isso deixa a opinião pública confusa. Se o presidente Lula pode ser tratado pelo Judiciário sendo quem é, você imagine uma pessoa que não é o presidente Lula; uma pessoa da periferia, um trabalhador, uma trabalhadora…”

 

 

 

Sul21: Durante a Plenária, falou-se muito sobre a perda de direitos dos trabalhadores. Como vocês têm percebido os efeitos da Reforma Trabalhista desde sua aprovação, em julho de 2017?

 

 

 

Vagner Freitas: Não teve Reforma Trabalhista. Teve desmonte da legislação do trabalho no Brasil e o fim do direito dos trabalhadores. É diferente. Completamente diferente. Ouso dizer que a Ditadura Militar – que foi o maior retrocesso para a democracia brasileira – não conseguiu mexer na legislação do trabalho como esses entreguistas fizera. Era um dos principais objetivos do golpe.

 

 

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Foto: Guilherme Santos/Sul21

 

 

Não houve Reforma Trabalhista. Houve a extinção do direito ao trabalho. O que temos hoje não é emprego. É ‘bico’. Pessoas arrumam ‘bico’. Emprego, para a CUT, é carteira assinada, direito social, jornada controlada e negociada pelo sindicato com os empresários, é contrato coletivo de trabalho… Tudo isso não têm acontecido. E o Brasil vai sentir isso, não é ruim só para os trabalhadores; diminui a qualidade da mão de obra, diminui a competitividade que nós podemos ter no mercado internacional. Não é verdade que, precarizando o trabalho, melhora a qualidade do produto final.

 

 

 

Não existe local nenhum no mundo em que isso tenha sido comprovado. Estão revertendo onde se tentou fazer. Reversão na Rússia, reversão no México. O componente mão de obra qualificada é importantíssimo no produto final, e esses entreguistas não estão preocupados se o Brasil vai ser protagonista na indústria internacional, pelo contrário. Como eles são entreguistas, a Reforma Trabalhista faz parte do plano do Brasil ser uma colônia para ficar na periferia do mundo, da disputa comercial.

 

 

Sul21: Lula já chegou a dizer que, se eleito, consultará o povo sobre as reformas.

 

 

Vagner Freitas: Nós precisamos rever a Reforma Trabalhista inteira. Eu não estou dizendo que nós temos que remendar a Reforma Trabalhista. Nós temos que revê-la inteira. Esse é um dos motivos pelo qual defendemos a candidatura do presidente Lula. Ele tem o compromisso firmado de fazê-lo.

 

 

Se nós pudermos alterar a legislação com um Congresso eleito… A CUT aceita sentar para a negociação com um governo eleito, com um Congresso eleito e aceita melhorar o que nós já temos. Quero dizer, temos que resgatar o que já tínhamos e até melhorar. Hoje, não existe legislação trabalhista no Brasil.

 

 

Sul21: Recentemente, o Governo Federal publicizou, através de capas de jornais locais, a Reforma como ‘modernização trabalhista’. Enquanto existe uma dissonância de discursos, como unir a classe trabalhadora?

 

 

Vagner Freitas: Eu tenho um companheiro antigo, Gilmar Carneiro, que fala que se você não aprende no amor, você aprende na dor. Lamentavelmente, a classe trabalhadora está aprendendo na dor. Não há casa de uma família brasileira que não tenha um desempregado. E não há uma casa que não tenha alguém com emprego precarizado. Isso significa que o nível de vida piorou.

 

 

O que vai unificar todos os trabalhadores é a vida, é a prática. Além da nossa proposta de organização, dos nossos sindicatos denunciando e organizando… Mas isso a gente já fazia antes da Reforma. Vamos continuar fazendo. Mas temos que fazer a conscientização dessa classe, para que ela compare sua qualidade de vida – pura e simplesmente. Eu acho que temos condições de avançar nisso, avançando na comunicação.

 

 

Sul21: Ao mesmo tempo, há muita instabilidade em torno da própria candidatura de Lula. O domingo (8), marcou bem isso…

 

 

Vagner Freitas: O que aconteceu domingo foi uma desmoralização do Judiciário. Como que um juiz de 1ª instância impede a determinação de um juiz competente… Não importa se ele era substituto ou não. A lei determinou a soltura do presidente Lula. Se, depois, o juiz titular ou o presidente do tribunal fosse rever a medida, o Lula poderia voltar à cadeia. Eles infringiram a lei. O [Sérgio] Moro desrespeitou a lei. O juiz não pode infringir a lei. Foi uma vergonha para o Judiciário brasileiro, que demonstrou a politização da Lava Jato.

 

 

As pessoas perguntam a posição da CUT sobre a Lava Jato. A bandeira da corrupção é nossa. Nós que dissemos que esse país é corrupto desde que Cabral chegou aqui. A corrupção é ruim para os trabalhadores. Mas nós não achamos que a Lava Jato combata a corrupção. Nós achamos que o Moro politiza a Lava Jato para atingir Lula e o PT. Claro, vão me dizer que: “Ah, mas fulano de tal foi preso”. Fulano de tal foi preso esporadicamente, só para poder manter o discurso.

 

 

Quem está preso é o Lula. Ele é o primeiro presidente da república preso. E o presidente mais amado que o Brasil teve. O que aconteceu domingo só coroa o que nós temos denunciado desde o primeiro dia. Nós temos que combater a corrupção? Temos. Mas não de maneira politizada, não de maneira segmentada – como faz o juiz Moro e parte daqueles que o seguem.

 

 

Mas isso só deixa o Lula mais forte, e nós ficamos mais fortes para dizer que queremos sim o combate à corrupção, mas não queremos que essa discussão seja no sentido de perseguir um partido político e uma liderança. Esse não é o papel do Judiciário.

 

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Sul21: Sobre essa politização do Judiciário, pode-se notar de forma mais evidente a polarização da opinião pública. Como articular um movimento sindical dentro desse ambiente em que se criam figuras “positivas” e “negativas” – e onde elas variam de acordo com o ponto de vista?

 

 

Vagner Freitas: Ter posições diferentes dentro da sociedade é normal, em uma democracia. Mas se você quer discutir a sua opinião, você vá lá e concorra a um cargo de deputado federal, deputado estadual, senador, prefeito, presidente… Se você faz parte do poder Judiciário, o que você deve seguir é a Constituição, o Código de Processo Penal, enfim. O Judiciário não pode ter vontade. Não pode ter opinião política.

 

 

Não pode o senhor [Deltan] Dallagnol, por exemplo, dizer que não tem prova nenhuma contra o presidente Lula, só a suposição de que ele é culpado, e condená-lo. O poder Judiciário é diferente do Legislativo e do Executivo. Ele protege a Constituição se atentando aos fatos.

 

 

O que aconteceu domingo deixa claro um embate entre pensamentos distintos – sem que se atentassem aos fatos e à Lei. Isso deixa a opinião pública confusa. Se o presidente Lula pode ser tratado pelo Judiciário sendo quem é, você imagine uma pessoa que não é o presidente Lula; uma pessoa da periferia, um trabalhador, uma trabalhadora…. Como ela pode se sentir segura com um Judiciário que, uma parcela, atua conforme sua posição política. É uma tragédia e é muito perigoso para a democracia.

 

 

O que está acontecendo hoje, não tenho dúvida, é que pela atuação de um juiz politizado de 1ª instância, o Judiciário está perdendo credibilidade.

 

 

Sul21: Durante a Plenária, você chegou a falar dessa perda de credibilidade também vinculada à ascensão de Jair Bolsonaro. Como isso tem impactado a luta da CUT?   

 

 

Vagner Freitas: Eles demonizaram a política. O que eles queriam fazer, com o golpe, foi acabar com a participação popular. “Não se associem aos sindicatos, não vão para as associações de moradia…” Ou seja, o coletivo não existe – existe só o individual. E, para isso, eles disseram que todo político é ladrão. E que todo movimento social é corrupto.

 

Sul21: Isso antes de 2016…

 

 

Vagner Freitas: Isso muito antes de 2016. Mas com mais ênfase a partir de 2013. Eles não querem a democracia. Eles querem comandar os países com o poder econômico, com o poder da mídia e com o poder da toga.

 

 

Eles não querem um parlamento forte. Eles não querem uma sociedade forte. Eles não querem governos fortes. Não interessa isso, para quem comanda o mundo economicamente. Aí se cria o presidente dos Estados Unidos. O ódio, a violência, a intolerância… E criam no Brasil uma afronta à inteligência que é o senhor Bolsonaro. Que é um produto desse culto à violência, do culto à intolerância. Eu quero ver como eles vão desfazer isso agora. Eu sei que parte deles vai querer doutrinas o Bolsonaro e transformá-lo em uma alternativa à Lula.

 

 

Todas as pesquisas demonstram que, se Lula não for candidato, Bolsonaro estará no segundo turno. Por isso que eles querem impedir, a todo custo, a candidatura Lula. Só que uma outra parcela eleitoral está desesperada. E depois? Pergunta para o Bolsonaro: “Qual a sua proposta econômica?”. “Eu não tenho a menor ideia. Pergunte aqui para o economista que eu contratei para responder a essa pergunta”. “O senhor vai fazer o quê para diminuir o desemprego? O senhor vai fazer o quê para recuperar a indústria nacional? O senhor vai fazer o quê para discutir como vai ser o mercado de consumo no Brasil?”. Ele não tem a menor noção. Ele só fala que tem que comprar armas, matar as pessoas, que a mulher é inferior ao homem, que o negro é inferior ao branco, que o pobre é inferior ao rico.

 

 

Isso é consistência para alguém governar? Mesmo para aqueles que são da burguesia, que são reacionários. O Brasil já foi a 7ª economia do mundo. Como vai ser com o Bolsonaro? Eles acreditam mesmo que ele vai terceirizar o governo? Que Bolsonaro será esse tipo de fantoche? Mas nem o exército suporta o Bolsonaro.

 

 

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Foto: Guilherme Santos/Sul21

 

 

Sul21: Considerando esse recorte em torno da figura de Bolsonaro, pode-se dizer que a presença ou não do discurso de ordem, em especial a pauta da segurança pública, irá definir as Eleições de 2018?

 

 

Vagner Freitas: A população é induzida a isso. A população quer segurança, combate à corrupção… A população quer ser respeitada. O Bolsonaro não significa nada disso. Mas quando eles transformaram o Bolsonaro no anti-político… Mais ou menos o que fizeram com o [João] Doria em São Paulo… É o técnico, é o não-político.

 

 

Mas Bolsonaro é político há anos. É deputado federal, seu filho é deputado estadual, seu outro filho é vereador. Uma família de políticos. Mas a população não vê o Bolsonaro como político, vê o Bolsonaro como um justiceiro – e isso é lamentável. Ele é uma personagem, que as pessoas acham que vai [ser presidente] e vai prender todo o mundo. Colocar ordem através do cumprimento da lei. As pessoas querem que se cumpra a lei e acham que o Bolsonaro pode fazer isso.

 

 

O nosso papel é desmoralizar esse discurso. Avisar quem é Bolsonaro. E que nós queremos cumprir a lei através da valorização da democracia, das instituições e como a participação do povo. O povo não sabe que ele está excluído em um governo Bolsonaro. Ele não tem nenhuma preocupação com saúde, com educação, com emprego. As pessoas têm que saber que não se resolve o problema armando a sociedade.

 

 

O Bolsonaro só é viável como candidato se ele não abrir a boca. Por isso que ele não vai a nenhum debate. Se perguntarem para ele como ele acha que será organizada a economia brasileira, ele já sai desmoralizado dali. Ele é umfake, não é um candidato.

 

 

Mas é o que a população quer no sentido de sentir segurança. Uma falsa segurança.

 

 

Sul21: Mas, então, como “desmoralizar esse discurso”, como você mesmo diz?

 

 

Vagner Freitas: Os debates serão muito importantes. Quando começarem a campanha, esse mito vai acabar caindo. Mas, particularmente, acho que devemos tomar muito cuidado com ele. A responsabilidade das classes mais altas é grande. A capacidade deles de desmoralizar Lula… E eu não sei para quê.

 

 

A capacidade de inclusão social do governo Lula foi grande, mas também deu mais competitividade para a economia brasileira. Os setores [industriais e comerciais] ganharam bastante com ele. Mas há setores dessa elite que talvez prefiram Bolsonaro – para monitorá-lo. Assim, podem doutriná-lo para que ele fique “bonzinho” na campanha presidencial.

 

 

Por isso que nós temos que fazer o contrário. Temos que instigar para que ele debata. Para que ele diga o que pensa, o que acha. Na hora em que o povo conhecer Bolsonaro não vai querer Bolsonaro presidente. Só quer Bolsonaro quem não o conhece.

 

 

Sul21: A CUT está repensando formas de instigar a classe política e a sua própria organização?

 

 

Vagner Freitas: A Plenária serve um pouco para isso. Temos discutido com os sindicatos que o trabalhador tem que ir para seu local de trabalho e para a sociedade dizendo para as outras pessoas que elas precisam votar em pessoas que os representem. Quem te representa defende que você tem que ter carteira assinada, que você tem que ter um sindicato forte por trás de você que te organize. Quem te representa acha que você tem que ter igualdade de oportunidades, cotas na universidade, um tratamento diferenciado dos mais pobres em relação aos mais ricos.

 

 

Quem não te representa é quem não acha que há diferenciação. O trabalhador precisa saber. Quem te representa vai reverter o que foi feito na Reforma Trabalhista. Bolsonaro, por exemplo, quer intensificar a Reforma Trabalhista.

 

 

A CUT está fazendo este trabalho, através dos sindicatos indo aos locais de trabalho mostra  a diferença de propostas para o trabalhador não ser iludido. E nós vamos divulgar. Todo deputado que votou na Reforma Trabalhista não deve ser votado pelos trabalhadores. Isso é uma questão de informação. Quando a gente conseguir disseminar isso eu acho que vamos ter uma grande influência sobre o voto desse trabalhador.

 

 

Sul21: A CUT tem vínculo direto com, pelo menos, quatro canais de comunicação em diferentes mídias (CUT.org, TVT, RBA e Rádio CUT). Além disso, a Central mantém um calendário ativo de eventos. Onde há falha na comunicação com o trabalhador?

 

 

Vagner Freitas: Obviamente que temos os canais da grande imprensa quase que totalmente bloqueados. Mas utilizamos, também, as redes comunitárias de rádio, de televisão, de internet… Sempre esperando que a sociedade ganhe esse debate.

 

 

Porque não são só os trabalhadores, qualquer empresário consciente no Brasil sabe que o único candidato, ou a única liderança que tem condição de unificar o Brasil em torno de um projeto de desenvolvimento é o Lula. É o único que tem credibilidade para isso. Não apostamos no vazio. Outra coisa, ele tem interlocução na sociedade com lados diferentes, com posições opostas.

 

 

Sul21: Dia 10 de agosto está previsto para acontecer o Dia do Basta, convocado pela CUT para marcar um dia de paralisação. Existe a possibilidade de uma greve geral?

 

 

Vagner Freitas: Nós esperamos dar um recado bastante grande. O mote é o respeito aos direitos trabalhistas, o combate ao desemprego – que é uma coisa extraordinária no Brasil – e entender que Lula tem direito de estar livre e deve ser o presidente porque ele tem o compromisso de reverter a Reforma Trabalhista.

 

 

Decidimos chamá-lo de Dia Nacional de Paralisação. Mas vamos ver o que acontece. Estamos trabalhando para que ele seja muito grande. Não estamos classificando como greve geral para não ganhar um… Para não ser descaracterizado depois.

 

 

O que nós queremos mostrar é que os trabalhadores têm que manifestar a sua insatisfação. Pode ser uma greve geral total ou paralisações parciais, greves parciais.

 

 

Agora, eu acho que o trabalhador está muito insatisfeito. Eu tenho andado muito pelo Brasil. É impressionante o nível de tristeza das pessoas. O desânimo. O desalento.

 

 

Foto: Guilherme Santos/Sul21

Foto: Guilherme Santos/Sul21

 

 

Sul21: No Rio Grande do Sul houve um aumento significativo de desempregados. Mesmo sendo uma das menores taxas do país, fechou 2017 com 486 mil pessoas sem emprego –  número que cresceu para 510 mil em maio de 2018. Mas, além disso, há uma preocupação dos servidores locais por conta do encerramento de pesquisas que monitoram essas taxas.

 

 

Vagner Freitas: Por isso que eles sucateiam o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Eles fazem a pesquisa, depois não podem apresentar… Eu acho é que o povo brasileiro foi enganado. Ele entrou num engodo muito grande. Mas o positivo disso é que as pessoas percebem muito rápido. Foi muito abrupta a queda no nível de qualidade de vida. Caiu muito.

 

 

É por isso que o Lula é endeusado hoje. Eles achavam que prendendo Lula iam transformá-lo em um criminoso. Prenderam Lula e transformaram ele na esperança do povo. Mais do que já era antes. Cabe a nós, dos movimentos pela democracia, disseminar isso e deixar que mais pessoas tenham essa informação para criar essa consciência.

 

 

Sul21: Existe algum criticismo dentro da CUT sobre a maneira como vocês agiram durante a prisão de Lula?

 

 

Vagner Freitas: Para nós da CUT, ver o presidente de honra preso foi um grande baque. Agora, nós não temos nenhuma dúvida que nós fizemos tudo o que podíamos fazer para evitar não só o impeachment da Dilma [Rousseff], como a prisão do Lula. O golpe foi articulado tão ardilosamente em todo o Brasil, de forma que eles foram exitosos nesses dois ataques.

 

 

Mas nós achamos que o golpe ainda não teve desfecho porque  as pessoas percebem que a vida que estão vivendo não é a vida que elas gostariam de viver. Fica claro para nós um sentimento ruim ao ver Dilma impeachmada e Lula preso. Mas não por falta de empenho dos nossos sindicatos. Não por falta de empenho da CUT. Nós enfrentamos um inimigo avassalador em um momento – e não foi um inimigo concebido pelos partidos políticos, e sim pelos empresários financiando o golpe através da mídia e da toga. Portanto, achamos que fizemos muito. Brigamos muito. E vamos continuar brigando.

 

 

Sul21: Já existe algo articulado dentro do movimento, considerando uma possível vitória de Lula?

 

 

Vagner Freitas: A vitória do Lula não resolve todos os nossos problemas. O governo só funciona com pressão. Governos democraticamente eleitos. Diferente desse desgoverno do Temer.

 

 

Nós achamos que o Lula representa boa parte do que nós propomos, mas vamos levar muita cobrança para ele. Vamos pressionar muito. Nosso papel é fiscalização e pressão. Governo é igual a feijão, só fica bom na pressão. Mesmo o de Lula.

 

 

Uma coisa é acharmos que ele é o melhor candidato e tem direito de ser candidato. Ele eleito vai ter que atender as reivindicações da classe trabalhadora.

 

 

Sul21: E se Lula não ganhar a eleição?

 

 

Vagner Freitas: Nós vamos continuar. Eu espero que o Brasil tenha democracia. Acho que a eleição sem Lula é um grande baque para a democracia brasileira. Mas vamos continuar lutando em defesa da classe trabalhadora. A CUT é uma central sindical. O que faz a CUT existir é o interesse da classe trabalhadora. Vamos enfrentar o patrão e melhorar a qualidade de vida das pessoas.

 

Fonte: Giovana Fleck/Sul21

GOSTOU? CURTA, COMPARTILHE!

Visit Us On FacebookVisit Us On Youtube